Você sabe a diferença entre joias, semijoias e bijuterias?

Existe uma peculiaridade entre joias, semijoias e bijuterias que todo mundo logo percebe: as primeiras são caríssimas; as últimas, bem baratas. Entre umas e outras, as semijoias custam mais que as bijuterias, mas muito, muito menos que as joias.

Semijoia Fé

Isso, contudo, é consequência das diferenças que existem entre as 3 categorias de acessórios, e não o motivo. Assim, a pergunta permanece: qual é a diferença entre joias, semijoias e bijuterias?

Essa parece ser mais uma dúvida que interessa apenas a quem está diretamente envolvido no ramo. Mas, não: estamos falando de produtos de consumo, e saber como fazer uso correto do dinheiro, adquirindo artigos que melhor satisfaçam nossas necessidades, é uma atitude economicamente consciente.

Assim, seja para salvar o seu dinheiro, seja para mantê-la bem informada sobre temas que, de algum modo, afetam o seu dia a dia, vamos apontar as diferenças entre joias, semijoias e bijuterias: quais as principais características, as vantagens de cada categoria e como elas mexem na oferta, preço e qualidade dos produtos. Acompanhe.

Do que são feitas joias, semijoias e bijuterias?

Se você estiver procurando uma peça de ouro maciço ou de pura prata, para citar os metais nobres mais conhecidos, não há dúvida: o que você deseja é uma joia.

E essa é a principal diferença entre esses 3 tipos de acessórios: enquanto uma joia genuína é desenhada exclusivamente sobre material de primeira (platina também entra nessa categoria), as semijoias e bijuterias têm como base de fundição metais menos nobres, recebendo uma camada externa de metal precioso (no caso das bijuterias, isso normalmente não ocorre).

Desse modo, enquanto uma joia é toda feita de metal precioso (justificando em boa medida o seu alto valor), a semijoia é fruto de uma sobreposição de metais variados.

A semijoia…

A base da semijoia é constituída de latão, sobre a qual é aplicada uma camada intermediária de metal como cobre, bronze, níquel ou paládio. A essa liga é acrescentado um “banho” de ouro, por exemplo (daí o fato de se dizer que a semijoia é folheada a ouro).

A espessura do banho depende de cada fabricante e é um indicativo de qualidade. Quanto mais milésimos de ouro tiver, maior a durabilidade da peça. Uma semijoia com 8 a 10 milésimos de ouro é considerada de excelente qualidade.

E a bijuteria?

A bijuteria é geralmente constituída apenas de material menos nobre. Algumas, de melhor qualidade, recebem uma ligeira camada de ouro — o que é chamado de “banho flash”.

Entretanto, o mais comum é a bijuteria ganhar um verniz de tinta dourada imitando ouro. Em razão disso, bijus oxidam muito facilmente, uma vez que o material com que são feitas não é dos mais resistentes.

O “vilão” níquel

Outro importante indicativo de qualidade de uma semijoia é o selo “níquel free”. Isso porque o níquel é um produto que pode causar séria irritação na pele, embora ainda esteja presente na fabricação de muitas semijoias (especialmente as “made in China”).

A ausência de níquel, portanto, indica que a semijoia em questão é antialérgica, o que demonstra a preocupação do fabricante com a qualidade de suas peças.

Fonte: www.lindabela.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *